CEFALEIA SENTINELA UM QUADRO PRESENTE, MAS POUCO LEMBRADO

Joao Lucas Santana, Beatriz Saraiva Araújo, Arquimedes Cavalcante Cardoso, Emerson Brandão Sousa

Resumo


Fazer uma revisão narrativa da literatura sobre cefaleia sentinela. CONTEÚDO:  A cefaleia é um acometimento de alta prevalência mundial, sobretudo em mulheres. São várias as condições que podem levar a sua ocorrência, destacando-se entre elas, a Hemorragia Subaracnoide (HSA) (sabidamente a 3ª maior causa de AVC).  No âmbito da HSA, existe um sintoma que por vezes é ignorado na investigação clínica do AVC: A cefaleia sentinela. Ela é conceituada como sendo cefaleia súbita, não usual, do tipo explosiva, persistente e de menor intensidade que a dor de cabeça da HSA, a qual geralmente precede a HSA por dias ou semanas.  Este artigo traz uma revisão narrativa da literatura sobre cefaleia sentinela, usando as bases de dados Pubmed e LILACS.  A prevalência desta condição é de 10 – 43% na HSA, podendo ser um fator preditor na identificação precoce do paciente com risco para sangramento aneurismático. CONCLUSÃO: Torna-se necessária tanto educação médica como uma atuação precisa acerca do tema, a fim de mudar os desfechos da HSA.


Palavras-chave


Cefaleia sentinela; Hemorragia subaracnoide; Aneurisma intracraniano; Cefaleia; Acidente Vascular cerebral

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


APOIO

Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. ISSN: 1414-0365