MENINGITE EM BRASÍLIA DF - PERÍODO 2007 - 2017 - ABORDAGEM EPIDEMIOLÓGICA

Edgard Xavier, John Kennedy de Sales Silva, Bruna Ribeiro dos Santos, Marcos Masini

Resumo


Objetivo: Evidenciar o perfil epidemiológico de meningite no Distrito Federal entre os anos de 2007 a 2017. Método: Foi realizado um estudo transversal, com abordagem quantitativa e informações atreladas à base de dados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN). Resultados: Foram analisados 1.555 casos registrados no período, sendo 57,8% homens e 42,2% mulheres. Os menores de 1 ano são os mais acometidos com 25% do total. No quesito etiologia, a mais constatada foi a não especificada (34,3%), seguida de meningite por outras bactérias (19,1%) e viral (10,8%), respectivamente.  Em relação ao desfecho dos casos, 1.138 receberam alta e 234 vieram a óbito pela doença. Conclusão: Constatou-se, em consonância com a literatura, que os homens são mais acometidos, assim como, a população mais afetada é a de crianças com idade inferior a 1 ano. A alta incidência de casos com agente etiológico não especificado mostra que os métodos laboratoriais e diagnósticos devem ser aprimorados.


Palavras-chave


Meningite; Perfil de saúde; Brasil

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


APOIO

Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. ISSN: 1414-0365