EFEITOS NEUROPROTETORES RELACIONADO À SUPLEMENTAÇÃO COM CREATINA

Camila Vogel, Alex Roman, Luciano de Oliveira Siqueira

Resumo


A creatina é um composto de aminoácidos presente principalmente nas fibras musculares e no cérebro, extremamente importante no fornecimento de energia para a ressíntese de adenosina trifosfato bem como depósito de energia intracelular. Suas propriedades oferecem esperança quanto ao valor terapêutico em processos de neurodegeneração, envolvendo o déficit bioenergético do sistema nervoso. O sistema que envolve creatina/fosfocreatina, catalisada pela enzima creatina quinase (CK), desempenha papel fundamental na manutenção do equilíbrio energético do cérebro. O objetivo desta revisão foi introduzir o metabolismo da creatina e suas possíveis intervenções terapêuticas na função neurológica, descrevendo algumas neuropatologias beneficiadas. O material utilizado compreende artigos descritivos sobre o metabolismo do suplemento e ainda estudos experimentais com modelos animais servindo de base para demostrar o benefício da creatina nas Doenças de Huntington, Parkinson, Alzheimer e Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). Em conclusão a ingesta de creatina associada às Doenças de Huntington e Parkinson mostraram ser promosores, resultando em efeitos importantes de neuroproteção. Já nas Doenças de Alzheimer e ELA a creatina não demonstrou melhora nos pacientes. Entretanto, mais estudos devem ser realizados para então destacar este suplemento como possível intervenção terapêutica.


Palavras-chave


Creatina; Fosfocreatina; Neurodegenerativas; Neuroproteção

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


APOIO

 

 

Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. ISSN: 1414-0365